Usar ou não a chupeta: eis a questão!

Postado em 4 de Maio de 2017 por .

pediatra

Dra. Márcia Fonseca, pediatra geral da Clínica Pediátrica Pueritia

Essa é uma dúvida frequente entre os pais e sabemos que é um tema controverso, pois cada especialista ou familiar tem uma opinião. Pensando nisso, a Clínica Pediátrica Pueritia organizou as recomendações de alguns especialistas (pediatras, odontopediatras e fonoaudiólogos) para ajudar você a decidir se oferece ou não chupeta ao pequeno. Confira os argumentos a favor e contra:

Prós

  • Calmante imediato do choro;
  • Possível efeito protetor contra morte súbita se utilizada após terceira semana de vida e apenas durante o sono.

Contras

  • Se usada desde o nascimento, pode atrapalhar o aleitamento materno;
  • Maior risco de má oclusão dos dentes que leva à deformação na arcada dentária, problemas de mastigação, atrasos na linguagem oral e problemas na fala;
  • Aumento da respiração oral, que piora a elevação do palato; maior risco de cáries e chance de irritação orofaringe, laringe e pulmões;
  • Maior chance de infecções de ouvido, rinites, amigdalites, “sapinho” e verminoses.

Se você optou por dar a chupeta ao seu bebê, não tem problema: apenas fique atento à melhor forma de uso. Um dos pontos recomendados é comprar o tamanho adequado para cada faixa etária, além de optar pelos modelos de silicone, que retêm menos bactérias do que os de látex.

O bico ortodôntico ainda é recomendado, embora haja atualmente no mercado uma chupeta calmante que não o tem, mas que é bem mais flexível do que as outras, causando menos deformidades – a mais comum por aqui é a chupeta Soothie, da Avent. É importante não usar peso extra pendurado na chupeta – fralda, bichinhos de pelúcia e brinquedo, entre outros –, pois forçam ainda mais a arcada dentária.

Outra recomendação é evitar as enfeitadas – elas oferecem risco de asfixia por pérolas, pedrinhas e strass, além do risco de intoxicação por cola ou tinta.

chupeta

Dicas importantes

  1. Oferecer apenas em momentos de estresse e para adormecer, não para todo choro do bebê. Retirar assim que ele se acalmar ou dormir (após o quarto mês de vida);
  2. Tentar oferecer depois de o aleitamento materno estar estabelecido (após terceira semana de vida);
  3. Retirar totalmente até os dois anos de idade – as orientações de como fazer essa retirada merecerão um post nosso no futuro;
  4. Quando se mantém o uso da chupeta, é necessário um acompanhamento precoce com o odontopediatra, já no primeiro ano de vid

Precisa de mais informações ou ajuda para se decidir e acompanhar todo esse processo? Marque uma consulta com nossos especialistas e venha conversar conosco: nós podemos te ajudar com essas e outras questões!